Inflação oficial do Brasil fecha 2017 em 2,95%, atesta o IBGE

O presidente do Banco Central Ilan Goldfajn durante entrevista coletiva para comentar resultado da inflação- Ailton Freitas  Agência O Globo

O presidente do Banco Central Ilan Goldfajn durante entrevista coletiva para comentar resultado da inflação- Ailton Freitas Agência O Globo

De acordo com o presidente do BC, as projeções do mercado já apontam que, no final do primeiro trimestre deste ano, a inflação atingiria 3,2%, "situando-se, portanto, acima do limite inferior do intervalo de tolerância da meta".

Num ano de comportamento atipicamente benigno dos preços dos alimentos, a inflação oficial brasileira, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), foi de 2,95% em 2017, abaixo dos 6,29% registrados no ano anterior.

"Há uma crítica de que, se a inflação ficou baixa, [o BC] poderia reduzir o juro mais cedo".

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) teve um avanço de 0,26% em dezembro, após a alta de 0,18% registrada em novembro, segundo dados divulgados nesta quarta-feira, 10, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

De um lado, o aumento de 30% da safra reduziu em 1,87% o preço dos alimentos, já que eles têm o maior peso no cálculo do índice e respondem por 25% das despesas das famílias brasileiras. Nossa atuação no começo [do ciclo de corte de juros] é que propiciou a inflação mais baixa. No entanto, embora a taxa Selic tenha alcançado o menor nível desde 1986, juros reais seguem acima dos 4%.

"A inflação já se encontra em trajetória em direção à meta em 2018".

Pela legislação, toda vez que a inflação fecha um ano abaixo do piso ou estourando o teto da meta, o presidente do BC é obrigado a escrever uma carta aberta explicando os motivos que levaram ao descumprimento. Esta foi a primeira vez que a inflação ficou abaixo do piso do sistema de metas desde a criação do sistema, em 1999.

O presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, dividiu a atuação da autoridade monetária com relação à inflação de 2017 em dois momentos e destacou a necessidade inicial de reancorar as expectativas para o IPCA.

O Banco Central informou ainda que tem "calibrado" a taxa básica de juros da economia, atualmente na mínima histórica de 7% ao ano, e acrescentou que continuará a fazê-lo "com vistas ao cumprimento das metas para a inflação estabelecidas pelo CMN". Na última pesquisa que mostrava as previsões para 2017, a inflação estava em 2,79%.

Assim como na carta divulgada pelo BC, Goldfajn reiterou que a inflação voltará a subir um pouco em 2018, devendo encerrar o ano próxima do centro da meta, de 4,5%.

Notícias recomendadas

We are pleased to provide this opportunity to share information, experiences and observations about what's in the news.
Some of the comments may be reprinted elsewhere in the site or in the newspaper.
Thank you for taking the time to offer your thoughts.